sexta-feira, 8 de maio de 2009

SOBRE SER MÃE E TER FILHOS

Eu não tenho filhos. Optei por não ser mãe há alguns anos e não sei explicar muito bem o motivo, afinal, eu amo crianças e sou muito ligada à família.
Amigos me dizem "é porque você não conheceu o homem da sua vida" ou "ainda não chegou sua hora, quando o relógio biológio 'bater' você muda de ideia", Há também os que praticamente me acusam de ser de uma raça egoísta dizendo "como não? toda mulher tem de ser mãe!". Dentre tantas teorias, conselhos e elocubrações, a única verdade é EU NÃO TENHO FILHOS. Mas sou uma ótima mãe pra quem precisa: amigos, colegas de trabalho e, claro, sobrinhos. Ou seja, não sou um monstro egoísta que coloca a humanidade em risco de extinção só porque não vou dar ao mundo um novo habitante, que carregará meu código genético. Nada disso! Eu não sou monstro, eu sou uma fofa, acredite.
Fofa e sensível. Fofa, sensível e com uma memória fantástica: ano passado, na edição de Maio da Marie Claire, li um texto da querida Leila Ferreira sobre as "não mães". Sabe quando parece que foi você quem escreveu aquilo? Todas as situações já haviam acontecido comigo.
Essa semana, a Lisa, que também não é mãe e também é uma fofa, postou o tal texto "E quem não é mãe?" e eu reli (pela milésima vez, pois guardei a revista só por causa dele) demoradamente, pensando em cada um dos presentes que eu não ganhei no Dia das Mães, em cada uma das vezes que praticamente tive de me desculpar por evitar que meus saudáveis óvulos se encontre com algum espermatozóide irresistível...
Sobretudo, pensei em como eu amo e admiro a minha mãe. Também as mães dos primos e amigos. Qualquer mãe merece admiração porque cuidar de filho é coisa pra cabra-macho.
Eu não tenho filhos, mas tenho a exata noção da responsabilidade que vem contida nessa palavra. Eu tenho a exata noção do amor que une uma mãe a um filho.
Certamente aprendi isso com minha mãe, porque eita mulher pra amar as filhas, viu? Eita mulher pra saber ensinar com exemplos!
Minha mãe me ensinou a ser uma "Pessoa-Mãe", que é aquela que dá colo a quem precisa, que fala a palavra certa e que não faz distinção entre filho biológico ou adotivo.
Por isso no próximo Domingo não vou me sentir "deslocada": eu não tenho filhos, mas eu sei que sou uma ótima mãe.
Quem duvidar é só ler o texto da Leila e perguntar pra minha irmã.