sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Dieta de você



Eu gosto de você porque seus ombros largos me dão aquele abraço que me protege dos meus medos. Eu gosto de deitar abraçada com você, mesmo que sua perna fique em cima dos meus quadris e às vezes fique meio desconfortável. Você é um espaçoso e eu fico espremida na cama imensa, que só é menor do que a preguiça que eu sinto de fazer amor com você de manhã cedo, antes do trabalho. Mas eu faço, assim como faço esforço pra não te acordar de madrugada e dizer que você é a coisa mais linda do mundo dormindo.
Eu gosto de você e de sua ânsia por ser feliz, animado de um jeito até absurdo, com pressa de fazer o que não fez nos últimos 10 anos. Eu gosto de ver você insaciável pelas coisas que quase não cabem no seu tempo livre.
Eu gosto de você porque você escolheu não ser mais um executivo cujos sonhos ficaram na gaveta da empresa. Eu gosto de você porque nunca pegou no meu pé e nem perguntou porque às vezes sou tão triste, tão medrosa. Você não me faz pensar em como eu sou. E isso é motivo suficiente pra eu gostar ainda mais de você.
Mas eu estou de dieta de você. Pra eu ficar em forma de novo, eu não posso provar nem um pedacinho de você.
Faz tanto tempo que não respeito dietas, mas a dieta de você eu estou seguindo à risca: não posso comer nem um pouquinho. Porque eu não sei provar só um pouquinho de nada: eu sou gulosa e sempre comia três pedaços das pizzas que a gente pedia quando via filme juntos. Era sempre eu quem comia mais bombons, e uma caixa não chegava até o final do DVD. Eu sou gulosa e não sei comer só um pouquinho. Por isso eu não posso dar bobeira: estou de dieta de você e pronto.
Os médicos dizem que a vontade de doce diminui com o tempo e eu quero acreditar nisso como a verdade maior do mundo. Só que você não era meu doce. Nem doce você era. Você é minha vontade de toda hora. E eu me fartava de você, sorvia até o último gole de você. A vontade saciava por uns dias, mas no meio de uma tarde qualquer lá vinha ela. E não adiantava lanchinho entre as refeições: eu tinha fome de você. Anos viciada em Coca Light, viciei em você também.
Agora, como a gorda dali da esquina, que se apaixonou e quer ficar bonita pro novo amor, eu sigo firme na minha dieta de você. Nem um pedacinho de você eu posso provar.
E você, orgulhoso de mim, deve estar feliz por ser tão determinada. Não porque essa dieta vai me deixar mais bonita ou saudável. E sim porque desse jeito, não te encho mais o saco.