quinta-feira, 1 de abril de 2010

ESTOU TÃO ULTRAPASSADA...



Não sou, em absoluto, puritana ou moralista. Mas tem hora que me assusto com algumas coisas, em especial no que se refere a sexo.

Repetindo: não sou puritana ou moralista. Assim como não sou hipócrita: adoro sexo! Acho a maior bobagem certos tabus e acho que se todos se permitissem viver sua sexualidade mais plenamente, haveria muito menos gente chata no mundo. Gente chata e infeliz.

Ah! Acho importante registrar que não me atreveria a escrever sobre este tema com freqüência, pois certamente, do jeito que sou faladeira, ia acabar falando sobre mim mesma e aí seria uma exposição danada. Aliás, é essa exposição que me intriga, que me assusta até.

Mas deixa eu começar do começo: visitava há pouco um site com uma listagem imensa de blogs e cliquei na opção "mais acessados". Dentre alguns bem interessantes, havia o de uma ex-garota de programa que virou escritora (!). Nadinha contra as putas: cada um faz o que quer/precisa/gosta pra sobreviver. Ela lançou 3 livros e dá palestras sobre o tema. Recentemente participou da Feira do Livro Peruana, em Lima, onde lançou o livro "CIEN SECRETOS DE UNA DAMA DE COMPANIA". E teve palestra também. O tema foi "Sexo sem fronteiras".

"Do que eu falei? Sobre sexo sem fronteiras, oras...rsrsrs

Sim, falei sobre o fato das pessoas experiênciarem o sexo de uma forma não limitada. Não digo de uma forma libertina, mas com certo liberalismo, quebrando os preceitos sem faltar com o respeito e com a segurança.

1 hora de palestra.

Mas a conversa iria longe: relacionamentos, sexo á três, bi sexualismo, homossexualismo, casas de swing, o que os homens querem, o que as mulheres desejam profissão do sexo, inversão de papéis, inúmeras dicas de sexo, enfim, haveria assunto para uma noite inteira, porque esse é um tema que todo mundo para para ouvir, muitas pessoas querem saber e sanar suas dúvidas.

O fato é que eu devo ter falado por cerca de 20 minutos sobre o que eu pensava do sexo na atualidade e de que forma podemos melhorar. (...)"

Para tudo! Deixa eu me recuperar do que li. Quer dizer que numa feira de livros, onde certamente havia vários escritores e palestrantes, 400 pessoas se amontoaram para ouvir dica de sexo? 400 pessoas se amontoaram para saber o que uma pessoa pensa sobre ser gay, sobre troca de casais e o que o parceiro quer? Ou eu sou muito realizada sexualmente ou então estou ultrapassadérrima neste assunto e preciso me reciclar.

É isso aí. Do jeito que fiquei espantada, acho que preciso me atualizar sobre o assunto. Vai ver aquele negócio lá de homem + mulher + tesão está fora de moda. Vai ver que aquilo que eu penso que é prazer é o maior tédio pro meu parceiro. E ele não fala pra mim pra não me magoar. Aliás, vai ver que ele ta torcendo pra eu ler o livro dessa moça e saber o que os homens querem. Será que ele já ta sabendo o que as mulheres desejam mas continua fazendo comigo aquelas coisinhas antigas? Sei lá, ele pode se sentir constrangido por perceber que sou tão medieval na cama.

Outro pedacinho do post da escritora- que- era- puta-agora-é-palestrante:

"(...) Mas o sucesso da palestra não se dá por mim, mas pelo público. Não só eu contava histórias e dava opinião, mas todos que estivessem dispostos a participar. Havia um micro fone disponível para quem quisesse interagir. O que mais foi questionado pelos homens foi a ereção. Imagiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiina se não ia ser isso, não? E eles foram os que mais participaram. (...)"

Você teve a mesma curiosidade que eu? Também ficou imaginando que tipo de perguntas os caras faziam sobre ereção? Vem cá, será que os carinhas por aí não sabem quando o pau ta duro? Ou será que inventaram algum outro tipo de ereção e a dinossaura aqui não ta sabendo? Vou mudar de tópico, porque posso acabar passando atestado de desinformada do ano.

"(...) As mulheres queriam saber porque eram traídas, o que fazer para melhorar a sexualidade quando não se tem um corpo segundo "as regras sociais", e também , é claro: "Los trucos, conte los trucos Vanessa."

Será que eu to errada quando penso que não existe um único motivo pra traição? Será que eu to viajando quando penso que cada casal tem suas particularidades e que não existe regra única para um relacionamento duradouro e fiel?

Vou dar um pulinho ali na Saraiva pra ver se consigo comprar esse livro. Sou fashion, né? Pega mal continuar achando que sexo é instintivo e espontâneo.