terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Disponível é o cacete!



Quarta-feira, 9:15 da noite. TV ligada. Toca o telefone.

- Oi, tudo bem? Vamos tomar um chopp?
- Hoje não dá, tô corrigindo uns textos.
- Isso é desculpa.
- Não é.
- Claro que é. Você tá sempre ocupada quando te chamo pra sair.
- Então tá, confesso: é desculpa. Eu não to a fim de sair.
- Vai deixar de sair comigo pra ficar de bobeira em casa? Se arruma que vou passar pra te pegar.
- Não, não vou.
- Por quê?
- Porque não.
- Isso não é resposta.
- Tá bom: a resposta é que não tô a fim de sair com você.
- Como assim não quer sair comigo? Você não tá mais namorando, tá?
- Não.
- Então, gata, agora que você tá disponível, vamos sair.
- Eu não tô disponível.
- Mas falou que não tá mais namorando...
- E não tô mesmo. E também não estou disponível. É que ainda não tô legal pra sair com ninguém.
- Por quê?
- Tô chata, não seria uma boa companhia.
- Nada a ver ficar chorando pelos cantos. Vamos dar uma saída, desencana do cara.
- Olha, de verdade, quando eu estiver mais legal a gente toma o chopp.
- Mulher é bicho estranho mesmo, né? Vive reclamando que não tem homem no pedaço. Aí aparece um cara maneiro que nem eu convidando pra sair e aí faz doce.
- Olha só, você entendeu que eu não seria uma boa companhia? Entendeu que eu não tô a fim de conversar e nem de tomar chopp?
- Mas a gente não precisa conversar, só toma alguma coisinha pra ficar legal e depois vai lá pra minha casa.
- ?
- Ah, gata, vai ficar fazendo doce? Tá na maior dor de cotovelo aí, vai recusar um ombro amigo? A gente faz um sexo gostoso e eu garanto, seu astral melhora.
- Tum-tum-tum-tum
- Alô, alô, gata, tá aí? Desligou, a cachorra...