terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Reunião extraordinária. Pra falar de um ordinário

Minha amiga convocou eu e as outras amigas para uma "reunião emergencial, extraordinária". Relato da convocante: "Ele me ligou e eu tava no salão. Ele disse que teria de sair às 5h, pois tinha um compromisso 5:30h. Só saí do salão às 5:10h e liguei pra ele sugerindo o café pra amanhã."

Localizando as personagens: "Ele" é um cara mega charmoso que trabalha no mesmo andar que "Ela", a amiga. Ontem se encontraram no elevador, como de costume. Só que o papo evoluiu e ele a convidou para um café. Com segundas intenções foi o que ela viu piscando na testa dele. Aceitou.

Voltemos ao relato "Ele insistiu, disse que remarcou o compromisso e completou 'é rápido, só pra eu te ver'. Eu, que me auto-intitulo Mulher Sem-Sal e só recebo cantada de cara problemático ou de peão de obra, achei tudo muito fácil e muito bom. Pensei na hora: aí tem coisa. No mínimo é casado. Bingo!

"Quando nos encontramos a 1a coisa que fiz foi o olhar a mão dele: alianção lá.
Dei uma broxada, né? E talvez por isso mesmo, foi um papo super agradável, já que não fiquei nervosa. Não podia ficar empolgada mesmo... C-A-S-A-D-O.

"Dez minutos depois do café, recebi um SMS: Adorei nosso bate-papo, mas queria algo menos formal. Tô aqui ainda. Como assim? Menos formal do que um café em pleno expediente, só se fôssemos pra Lapa dançar forró, né? E ainda avisa: tô aqui ainda. NÃO vai me comer no escritório! Se é isso que ele quer dizer com 'tô aqui ainda'. 

"Vocês tão vendo, amigas? Eu corro de problemas mas eles me acham.
Mulher-Sem Sal vai dar pra outro que não seja o 'Homem-Chute'? Que baita progresso. Vou dar pro gato casado."

Bem, como já disse, papel de amiga é levantar o astral, alertar para os riscos de se machucar e tal, mas ela não perguntou nossa opinião, só avisou que vai embarcar nessa azaração de elevador. Nem eu e nem as outras convocadas ousamos dar palpite.
Alguém acha mesmo que tira uma ideia da cabeça de uma mulher decidida?