sábado, 6 de setembro de 2014

Ele, o machismo

Na primeira vez que ele me falou para não confiar em mulheres, dei risada e levei na brincadeira. À noite, porém, fiquei pensando naquilo e perdi o sono.
Ouvi de novo e de novo e de novo: "mulheres são as piores inimigas delas mesmas", "amiga sempre tem inveja de amiga" ou "mulheres só sabem competir entre si".
De certa forma, aquelas palavras faziam algum sentido, afinal, era super comum ver as amigas falando mal umas das outras. Será que ele estava certo? Reparando bem, tinha um monte de menina metida na minha classe.
Aí um dia cheguei em casa falando para minha mãe que não sei quem se achava a menina mais bonita da cidade, era insuportável e eu tinha muita raiva dela. Acho que ganhei uma medalha dele naquele dia. 
E, para não desapontá-lo - até porque ele esteve certo o tempo todo - passei a evitar turminhas de amigas e também comecei a dizer que elas eram todas fúteis e burras.
Um dia, uma "grande amiga" minha, deu em cima do meu primeiro namorado. Bem que ele me avisou: mulheres são sempre grandes ameaças umas às outras e comecei a perceber que as amigas, primas, irmãs, todas elas eram muito melhores do que eu. "Vagabundas!". Ele sorriu satisfeito e explicou direitinho que todas as minhas inseguranças vinham delas, as outras mulheres. Sempre haveria outras mulheres muito mais bonitas do que eu, muito mais interessantes do que eu e certamente elas estava a postos para me passar a perna.
Fui uma excelente aluna dele, o machismo.  
Aí, um dia eu estava muito triste, cheia de questionamentos e a amiga mais bonita que eu tinha me deu uns conselhos tão bacanas, sabe? Por causa dessa preocupação (carinho?) dela passei a repreender as outras amigas que debochavam dela, que era bonita mas estudava em faculdade particular; que era muito bonita mas o peito era de silicone. 
Foi naquele dia que o machismo teve um ataque de fúria para cima de mim porque eu saquei que não sentia ciúmes da amiga bonita e com isso parei de ver as outras mulheres como inimigas em potencial. Ele me atacou, disse coisas horríveis e até - confesso - me desestabilizou um pouco. Mas lá estava a amiga bonita, novamente, me dando carinho e dizendo que eu podia contar com ela.
Ele se desesperou, me xingou, disse coisas horríveis porque se eu me tornasse amiga de outras e outras mulheres nós teríamos muito mais força para brigar com ele.
Então, de vez em quando ele me mandava uns recados e dizia que me falava aquelas coisas para o meu bem, para eu não me "desvirtuar" e passar a pensar que poderia ser diferente, ser moderninha. E que se um dia eu pusesse em prática aquele meu discurso de igualdade entre homens e mulheres - aquela palhaçada, nas palavras dele, de que homem tem de respeitar a mulher, tem de ajudar em casa, com os filhos - ah, se eu ousasse colocar em prática esse meu discursinho feminista eu ia me dar muito, muito mal na vida. Se calhar, nem me casaria. 
O machismo acha que mulher tem de seguir os exemplos de nossas avós, tem de ficar em casa cozinhando, lavando e tal. E se quiser trabalhar, pode até trabalhar, mas tem de fazer os deveres de casa também. E mulher que não encaixa muito nestes moldes e resolve, sei lá, não ter filhos, nossa! esse tipo de mulher é uma vadia e quer destruir a sociedade, a família. É uma egoísta que vai sofrer muito na velhice. Vai morrer de solidão.
É, o machismo é feroz: fala umas coisas que assustam a gente, às vezes dá até medo me não seguir sua cartilha. Mas percebi como ele perigoso e cruel, e joga sujo, porque joga com suposições, usa do passado como exemplo para nós, que estamos aqui, tão contemporâneas e dizem que o futuro vai ser sombrio por causa de mulher assim, que nem eu. 
O machismo não gosta da mulher, embora o machista adore se gabar de ser tão macho, tão hétero. O machismo só admite mulher posição de fácil dominação: sem estudo, sem um bom emprego, dependente dele. 
Entendo o objetivo do machismo - por mais que não compactue, eu entendo: ele quer colocar o homem no papel do fodão, do indispensável. E sua sobrevivência está garantida enquanto meninas continuarem acreditando no que ouvem se tornando, por isso, mulheres inimigas de outras mulheres. Enquanto houver uma disputa, uma única que seja - quem tem o cabelo mais liso? quem tem a bunda mais dura? - o machismo está garantido, vai procriar feito coelho. A estratégia desse cara senil é ensinar que a gente tem de ser magra e jovem e passiva. Seu ego doentio se alimenta do que ele nos ensinou ser as nossas fragilidades: cabelo sem chapinha, celulite, peito caído. 
Mas o que, definitivamente, nunca, nunquinha, vou entender é o papel do machista. Por que tanto medo de uma mulher ao lado, em pés de igualdade?