quinta-feira, 15 de outubro de 2009

HOMENAGEM E CONFISSÃO

Hoje, Dia do Professor, acordei pensando nas professoras importantes da minha vida: Adélia Oliveira, minha eterna professora de Português. Posso dizer que ela é a grande responsável por eu ter trilhado o caminho que me trouxe aqui a este blog. Ela despertou em mim a vontade de aprender a escrever bem, a gostar de um bom texto.
Outra professora que me ensina até hoje é minha amada tia Marina. Só quem a conhece pode entender a emoção que é ter ter uma aula de Literatura ministrada por ela. Ouvi-la declamar um poema é emoção na certa. O engraçado é que nunca fui aluna ("aluna oficial", registrada no Livro Diário e tal) dela. Mas sempre aprendi muito com suas explicações "informais".
Tanto a tia Marina quanto a Adélia são daquelas pessoas que já nasceram professoras. Sei lá, tem gente que já nasce sendo o que vai ser, que sempre foi o que é hoje.
Eu amava ter aulas particulares de Português com minha tia. Absolutamente tudo sob sua explicação ficava mais leve, mais agradável, ganhava sentido. Tenho tanto orgulho de sermos, nós duas, formadas em Letras / Português-Literatura.
Embora minha formação acadêmica tenha me preparado para dar aulas, nunca me senti capaz de encarar uma turma de alunos. Pra mim, ser professora é algo digno de reverência, de admiração e nunca me senti preparada para isso. É que quando eu penso em um bom professor, lembro dessas duas das quais falei.
Quando fiz cursinho pré-vestibular, a Tereza me fez ter a certeza de que eu queria trilhar o caminho da Literatura. Ela hipnotizava uma turma de 40 adolescentes inquietos e todos nós ficávamos atentos, reverenciosos, às suas palavras.
Hoje é o Dia do Professor. E hoje faz 3 meses que uma das mais respeitadas professoras da minha doce Paraty se foi. Minha avó, a Vovó Cininha. Professora de tantos pais de amigos meus, de tantos paratienses... Aposentada há muitos e muitos anos, nunca deixou de ser uma educadora. E com ela aprendi ter opinião, caráter e prezar pela minha família. Dizem que herdei a oratória dela também. Talvez o DNA explique a facilidade que tenho em falar em público.
Meu diploma está guardado numa gaveta qualquer e, talvez, nunca saia de lá. Mas sinto muito orgulho por ter sido uma boa aluna e ter aprendido ótimas lições, nem sempre acadêmicas. Muitas delas me servem para a vida.
Hoje, no Dia do Mestre, este profissional tão desvalorizado por muitos, rendo minha homenagem e manifesto minha imensa gratidão pelas Marinas, Adélias, Cininhas, Terezas.