quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Saudades e sumiços

Faz tempo que não te ligo, né? Não, não é falta de interesse. Você me conhece bem demais pra eu mentir assim, na cara dura. Sabe o que é? Um amigo passou uma tarde de domingo inteirinha me consolando, fazendo carinho na minha auto-estima que estava em frangalhos. Por sua causa, desnecessário dizer.
Então, num dos 332 conselhos que ele me deu, um foi este: suma por um tempo. "Como assim? Cê tá maluco? Acha que eu aguento mais de 1 dia sem falar com ele?". E aí veio a (longa) explicação. É isso aí: você não aguenta ficar mais de um dia, mulher. Você não dá tempo pra ele sentir saudade de você.
Caraca! Foi profunda essa, hein? E ainda completou: já pensou que ele pode não aguentar receber mais notícias suas? Chorei nessa hora. Imaginar que você não tá nem aí pro monte de coisa que eu tenho todo dia pra contar me doeu. Aí aproveitei que já tava triste mesmo e chorei feito, feito... feito eu choro quando tô triste.
E por isso dei um tempo daquela pegação no seu pé. E sumi.
Sumi porque não há futuro em nós dois.
Sumi porque não há nada mais que eu possa fazer: não saberia reconquistar você. Pode me chamar de medrosa, mas prefiro sumir a ouvir aquela frase que mata só de pensar "Conheci uma pessoa...". Não! Não fale isso, é só o que peço.
Não sumi por ter a auto-estima baixa e nem por coisas do gênero. Sumi para ter só lembranças boas de nós dois. A saudade talvez faça mais por nós dois. Separadamente.