sábado, 18 de dezembro de 2010

Você lê muito, né?

Você lê muito,né?"Canso de ouvir isso. Desde pequena ouço esta frase ou suas variações. Muitas vezes vêm com um complemento (que me faz doer o estômago): Como agüenta?
De fato, é difícil não eu ter um livro na bolsa, mas confesso que me aborreço com o rótulo que isso me confere: intelectual. Bullshit! Em terra de cego, definitivamente, quem tem um olho é Rei.
Só que às vezes me sinto meio "aberração", sabe? Parece que sou diferente só porque gosto de ler. É estranho sentir que me olham meio de lado, parece que estão apontando o dedo e falando "olha só que coisa mais esquisita: ela lê. E lê muito".
No antigo emprego, eu tinha uma amiga, a Francisca, que também "lia muito". Era impressionante como isso chamava atenção dos outros. Todo mundo comentava. Caramba! Será que isso é motivo pra comentários?
Não tenho o direito de obrigar ninguém a ter os mesmos interesses que eu, embora eu sonhe que no meu país fosse normal as pessoas lerem, lerem muito. Quem sabe um dia?
Como falei, é comum ouvir que leio muito. Aí, quando estou com paciência, pergunto : "E você, também gosta? O que lê?". Na maioria das vezes a resposta é um silêncio. Um ou outro se manifesta.
Tem dias que provoco: “Qual o último livro que leu?”.Várias vezes, porém, em vez do constrangido silêncio, respondem: "Ai, eu também adoro ler. Na escola eu lia todos os livros que a professora mandava." . Tem uns que dizem " Li O monge e o executivo" e também "O Segredo". Outra resposta comum é "Leio tudo do Paulo Coelho". Ai, ai, ai... Paulo Coelho vale? Como diria a sapeca Emília do Monteiro Lobato: Eca! Que nojo!
Os admiradores de minha ''intelectualidade'' têm sempre pelo menos duas desculpas para não ler: o preço do livro e a falta de tempo. Mas quem tem tempo? Eu não o tenho sobrando, mas... ando de ônibus, então, em vez de reclamar do tráfego lento, eu leio. Na Europa, ler nos ônibus, trens e metrôs é muito natural; no Brasil, não. Metrô parece arquibancada de jogo de futebol. As pessoas falam muito alto e é raro ver alguém lendo. No máximo, as páginas esportivas de um jornal.
E por falar em Europa, quando entrei na FENAC de Lisboa e fiquei com vontade de chorar: lá os preços são em Euro, compadre! Isso mesmo: Euro, quase 3 vezes mais do que nosso "Realzinho". E todo mundo lê por lá. Nos metros e comboios da vida, ou numa praça, durante o horário de almoço. "Importei" o hábito: leio muito no meu horário de almoço. Se tiver uma pracinha com sombra por perto, então...
Também gosto de escrever (você percebeu, tenho certeza). Por isso adoro uma frase do Ruy Castro: Ler é 2a melhor coisa do mundo... Escrever é a melhor. A que você está pensando é hour concours.