segunda-feira, 31 de agosto de 2009

sábado, 29 de agosto de 2009

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

MOMENTO "CARA A CARA COM A VERDADE"


TÔ ME SENTINDO

5:23. Tarde de tédio.
Pensei em escrever um texto, mas a paciência era nenhuma. Pra dizer a verdade, há dias venho pensando em como estou pouco criativa. Cogitei parar de escrever o blog antes que comece a pagar mico e meus 16 lindos seguidores falassem "Aline, já deu! Para de se repetir ".
Dei uma olhadinha no e-mail e meus olhos brilharam. Vou transcrever aqui um comentário que recebi da querida Paula, de São Paulo:
Oi, Aline,
definitivamente piroooo com seu blog, achei por acaso na net. Estava procurando frases q me interessassem para fazer uma tatto, achei um post e acabei lendo td seu blog desde o inicio. Amei!
Ainda não terminei de ler td o blog, mas a cada post me emociono, até chorei com um deles. Parabéns, vc escreve muito bem e me desculpe se houver erro de portugues aqui, pelo que li aqui vc detesta isso. hehehe....
Me considere sua fã, ja estou fazendo mó anuncio do seu blog! Bjooo até +

Háháhá! Tô me sentindo, gente! Sério mesmo: tô me sentindo A blogueira, viu?
Paula, recadinhos como estes me dão um gás, você nem imagina. Mil vezes obrigada pelas palavras de carinho. Mas preciso dizer que minha felicidade maior é por saber que consigo emocionar alguém.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

QUANDO VOCÊ ME LIGA


Eu fico feliz. Só isso.

E isso é pouco?

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Destino ou Santo Antônio, é com você mesmo que tô falando

Minha amiga vai casar. Minha outra amiga vai separar porque se apaixonou por outro. A outra amiga casou de novo. E eu que vivo jurando que nunca mais vou me casar, quero conhecer o amor.
Se toda panela tem uma tampa, cadê a minha? Eu quero um amor de presente, Destino. Eu quero ser amada de verdade, Santo Antônio. Eu quero que o mito da "mulher moderna" vá se foder!
Meu pé cansado tá cansado de se enfiar num chinelo que não é o meu número. Nunca desejei essas breguices, mas ando tão contraditória que uma paixãozinha tinha tudo a ver na minha vida agora. Mas quero paixão que vire amor e que seja pra sempre.
É, agora eu quero um amor pra sempre. Chega da frieza de dizer que isso não existe. Se existe tanta esquisitice nesse mundo, deve haver amor que não acabe também, que nem nos filmes.
Tô ficando cafona mesmo e vai ser por completo: quero um amor pra ver filme juntinho, pra me chamar de "Mô" e me levar pra casa da mãe no domingo. Vamos almoçar macarronada com frango com um monte de sobrinho e cunhado.
Parei de fingir e espero que não me julguem. Parei de fingir que tá tudo bem ser dona do meu nariz e fazer todas as escolhas eu mesma. Cansei. Não quero mais viajar sozinha. Não quero mais pedir prato pra uma pessoa só e comer no sofá. Tô num surto de sinceridade e lá vai: eu sempre sonhei dormir abraçada por ele, que tem ombros largos e não faz barulho de manhã.
Quero admirá-lo indo pro trabalho, de camisa social,recém-barbeado e dizer "bom trabalho, meu amor".
Como será isso? Passo dias (e principalmente noites!) pensando como é desejar vê-lo me esperando no estacionamento do shopping.
Não quero mais que me apresentem um amigo que "tem tudo a ver comigo" e então descobrir que ele até que é legal, mas não bateu. Eu quero bater o olho e dizer "é esse!". Quero ver nos olhos dele "é ela".
Tem um DVD de auto-ajuda aí que diz que tenho de escrever o que eu quero. Eu tô fazendo isso agora. Mas o autor diz que tenho de descrever com detalhes, aí o Universo manda ele pra mim.
Um, dois, três, lá vai: quero transar beijando na boca, sentir a mão forte dele me segurando e ouvir daquela boca linda que me ama. Quero essa mesma boca me mordendo o pescoço e ir descendo, descendo, até onde eu gosto que ele me morda-beija com vontade. Quero ser pedida em casamento e casar de vestidão, aquele que eu já escolhi o modelo. Quero um homem que leia um pouco antes de dormir e desligue a TV quando o clima esquentar.
Quero acordar no meio da noite e olhar pra ele certa de que estou nos seus sonhos e que sou o que ele sempre sonhou, que nem ele é pra mim.
Quero ouvir "não precisa" quando eu começar a Dieta das Proteínas e "pra quê?" quando eu cismar que vou porque vou fazer lipo nos culotes. Quero telefonemas no final da tarde para saber se tá tudo bem. Tá! Tá tudo bem, meu amor! Com você tá tudo sempre bem.
Quero um homem forte o bastante pra aguentar minhas contradições e não se assustar com minhas carências. E sensível no ponto certo quando perceber que sou assim mesmo e de vez em quando fico melancólica.
Quero intimidade pra caramba pra poder fazer voz de criança de vez em quando, e distanciamento quando a prisão de ventre atacar. Quero privacidade no banheiro de casa e sacanagem na banheira do motel, aonde vamos de repente no meio da tarde, sem data pra comemorar. Eu quero um amor que me ame na nossa cama e me coma no sofá. Que me marque o corpo como quem diz "você é minha". Porque eu sou só dele, sempre vou ser dele.
Quero dizer na frente do Padre que vou respeitá-lo e amá-lo até o fim da nossa vida e dizer com certeza plena que nosso amor vem de outras vidas. Quero meu nome com o sobrenome dele e um anel na mão esquerda para todos verem que eu tenho um dono, que eu tenho um amor a quem sou fiel desde sempre.
Quero cafuné quando brigar com minha mãe ou fizer alguma merda no trabalho. Quero sexo selvagem de vez em quando. Quero deixar bilhete no bolso dele dizendo que minha vida ficou mais bonita depois que o conheci. Quero não fazer segredo do ciuminho que eu sinto daquela ex linda que ele tem. E quero que ele diga que não preciso me preocupar: sou seu grande amor.
Quero um homem não muito bonito, mas com cara de homem, do jeito que eu gosto. E que com esse jeitão de homem, meu tesão só aumente.
Homem da minha vida, você sabe que eu preciso, de vez em quando, de espaço. E eu sei que você vai respeitar meus momentos depressivos. Eles logo passam, e vão passar mais rápido quando você disser que adorou o que escrevi ontem.
Eu adoro seu humor ácido, que combina com meu olhar irônico. Quero ouvir piadas sem escatologia, ouvi-lo citar Kant e assistir futebol junto. Torça pro Flamengo, por favor.
Meu amor, Destino, tem que ser maluco beleza quando tirar o terno mas ter os pés no chão macho de 2a a 6a-feira. Aos sábados, usaremos chinelos.
Vou desculpar seu mau humor e relevar sua mania chata de falar do trabalho na hora do jantar. Vamos jantar juntos, com mesa posta e arroz integral. Quero, mais do que tudo, te olhar de repente e pensar "é você". É você o homem que eu esperei enquanto me fingia de mulher independente. Que bom que você apareceu na hora certa e que meu coração estava prontinho pra te receber.
E então, quando minha próxima amiga disser que vai se casar, eu a abrace forte e diga de todo meu coração "estou tão feliz por você. Parabéns."

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Óh, dúvida cruel!

Minha amiga está num dilema danado sobre o que fazer com os dois carinhas com quem ela está "ficando". Falei pra ela: prá começo de conversa, você deve estar atraindo olho-gordo de suas amigas, suas inimigas, amigas das suas amigas, enfim, da população feminina quase inteira, né? Pô! A mulherada reclama da falta de homens e minha amiga tá com 2.
Mas ela não está reclamando "de barriga cheia", não. Vamos ao "problema": por um ela é apaixonada. O outro está super a fim dela. Complicado, se a gente levar em conta que ninguém na história aqui é correspondido.
O tal por quem ela carrega um bonde tem aquele discurso prá lá de velho "você é muito especial, mas não estamos na mesma sintonia" e "Gosto de você mas não do jeito que você merece". Bem, pelo menos gentil o cara é. Vamos combinar que tem uns que são bem mais diretos (objetividade que beira a grosseria) e manda logo "Nosso lance é sexo, nada mais". E quando a gente tá apaixonada por um cara, tudo o que não quer ouvir é que é "só sexo". Por melhor que seja o sexo. Aliás, essa é uma das questões dessa minha amiga: segundo ela, além de ela gostar dele "pelo conjunto da obra", na cama ela tem certeza de que nasceram um pro outro.
Já o outro carinha, ela conheceu há pouco tempo e parece que os dois estão apostando num relacionamento. Ele é inteligente, gato, intelectual e liga sempre que diz que vai ligar. Ou seja, minha amiga não deveria pensar duas vezes.
O dilema dela é esse: por que ela não se apaixona por esse cara que tem tudo a ver com ela e ainda por cima está a fim dela? "Porque eu nasci pra ser mulher de malandro" foi o que ela me respondeu. Não ousei dar palpite, pois sei que em assuntos de coração, não existe razão.
Não dei palpite, mas perguntei logo: se deram bem na cama? Ela disse que eles tem potencial para chegarem lá. Ou seja, com uma dose de boa vontade, eles vão se adaptando um ao outro.
Juro por Deus que acredito nisso e sou partidária da filosofia de que, às vezes, vale a pena a gente dar duas ou três chances pro cidadão mostrar a que veio. Claro que tem uns que a gente saca na hora que não nasceram pro esporte. Não adianta treinar porque o rapaz não leva jeito. Mas,pelo que ela me falou, esse aí pode ser uma surpresa boa.
O problema é que ela não consegue deixar de comparar os dois. Pelo que entendi, um é o Romário: nasceu craque. O outro é esforçado, de repente pode ser titular do Volta Redonda.
E então, o que ela deve fazer? Continuar batendo uma bolinha de vez em quando com o craque que faz gol em todas as partidas ou dar uma chance ao futuro titular do Voltaço?

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Não leia: eu tenho de manter a pose

Reparou que eu dei um tempo por aqui? Que nem tenho escrito muitas coisas? Juro que não é falta de interesse. Há há há! Você jamais vai dizer isso de mim, Darling. Vou tentar explicar meu “sumiço”: alguém inventou que não é bom falar tudo assim, de supetão, entregar o ouro. Então, eu confesso, minha falta de notícias é gênero.

Só que eu não aprendi a fazer isso direito e vou te contar tudo o que eu to morrendo de vontade de te contar faz tempo, mesmo morrendo de medo de estragar (o quê?). Mesmo sabendo que em matéria de coração sou uma analfabeta e infrinjo todos os “manuais de sedução”, só porque eu não consigo te deixar com saudade de mim: eu dou notícias de mim o tempo todo.

Se quiser saber tudo que senti vontade de falar nesses últimos tempos basta ler este texto longo e óbvio. Bem, vou torcer pra que role algum problema no micro que me faça perder tudo o que escrevi. Mas se não rolar, eu ainda tenho a opção de não publicar. Mas a verdade é que eu sou ruim demais pra falar e escrevendo eu me expresso melhor. Talvez ler te seja menos assustador do que ouvir.

Prá início de conversa, falo logo que ainda tenho muitos medos e o maior deles é descobrir sem anestesia que sou só uma pessoa especial pra você. Daquelas pra quem a gente diz “você sempre terá um lugar no meu coração”. Porque eu não quero nunca ter só um lugar no seu coração: eu quero morar no seu coração, entendeu?

É horrível pensar nisso, mas a verdade é que daqui a 3 dias talvez eu descubra (ouvindo de você) que foi tudo muito legal mas acabou. Mas, por mais incrível que pareça, tô me lixando o quanto isso vai doer. Agora eu só consigo pensar no quanto é gostoso esse lance de gostar de você.

Você nem imagina o quanto te conhecer revolucionou minha vida. Acabei de ler uma frase e vou ter de repeti-la aqui: você zerou a minha vida. Com aquele seu jeito de me segurar com os pés, com sua preocupação com a família, com sua vontade de ser feliz você acaba de me salvar.

Lembra que pedi pra você não se assustar comigo? Talvez seja uma das coisas que eu mais queira de você. Não se assuste comigo. Não se afaste de mim.

Eu não vou conseguir te provar, mas eu sou gente boa. Eu não tenho metade da maturidade e desprendimento que penso ter, mas eu sou gente boa. E mesmo se eu não for assim tão legal, eu sei que vou ficar. Sim, eu vou virar a pessoa mais bacana do mundo porque você me deu uma vontade danada de ser uma pessoa legal, uma pessoa do bem.

Faltam anos luz pra eu ser assim tão ‘’easy going” como eu tento me mostrar, mas a verdade é que eu até já consigo não ser tão reclamona ou estressada. Faz um tempão que não xingo o cara da Sky ou a telemarketing da Claro e seus gerúndios. Eu não to nem aí pra quem fala errado, não quero mais mudar ninguém. Voltei a gostar de filme romântico, vê se pode! Também não implico tanto com casalzinho no início do namoro: de repente, o amor deles vai ser pra sempre mesmo. Quem sabe?

Não ria, mas eu to gostando pra caramba da vida, até gostar de mim eu tenho conseguido. E você tem muito a ver com isso. Não se assuste comigo.

Sabe aquele friozinho na barriga quando alguém te toca? É bom, né? Mas sabe o que é melhor? É perceber que eu posso sentir de novo. Isso é uma das coisas que mais me deixa feliz e foi você que trouxe pra mim: a sensação de não estar mais anestesiada.

Eu pensava que já conseguia mandar na minha vida novamente mas estou feliz à beça por perceber que perdi totalmente o controle do que sinto.

Eu ando tão boba, você nem imagina. Nossa! Que bom que você não me viu esses dias, porque eu ando mesmo muito boba. Idiota, sabe? É bom ser idiota no meio do expediente e olhar sua foto: eu abro um sorriso meio disfarçado mas que entrega tudo. Aí depois eu tento ser séria de novo, mas fica engraçado.

Viu quanta coisa você fez em mim? Agora eu te peço mil vezes: não se assuste comigo. Gostaria de conseguir te mostrar que, apesar das minhas complexidades, você me despertou só sentimentos bons: é uma coisa leve, suave.

Pode ser que você não seja assim tão obediente (ou tenha te fugido ao controle) e você já esteja muito assustado comigo. Aí, é provável que se afaste, sim, de mim. E então vou sofrer por intermináveis 15 minutos e depois vou seguir em frente. E vai ser uma pena você não me ver mais, porque depois dessas coisas que eu vivi, certamente eu sou uma pessoa mais legal. Diria até que fiquei mais bonita, pelo menos por dentro.

1 beijo grande. Com uma saudade imensa, daquelas que eu pensava que não iria sentir nunca mais.

domingo, 16 de agosto de 2009

O LIVRO DO FINAL DE SEMANA


E o livro lindo do final de semana se chama "Foi apenas um sonho". É sobre a história de Frank e April Wheeler, um casal talentoso e jovem que acredita ter toda a vida diante de si e que o sucesso há de chegar a qualquer momento. Mas, à medida que os anos passam, eles vão mergulhando num mundo de intrigas e frustrações, e só uma grande guinada poderá alterar seu destino.

UM BOM LIVRO


Não publico aqui todos os livros que leio, pois alguns não me parecem tão especiais a ponto de serem indicados. Mas esta semana li "Lembra de mim?" e adorei. A história é mais ou menos assim: Lexi tem 25 anos, não é lá muito vaidosa e tem um namoro morono. Depois de um acidente, ela desperta em hospital e, para sua surpresa, descobre que tem 28 anos, um emprego maravilhoso e está linda. Além disso, é casada com um gato cheio da grana.

Quase nem dá pra acreditar em como ela é sortuda. Mas conforme ela descobre mais sobre a nova vida, mas enxerga problemas graves em toda essa perfeição. E, para completar, uma revelação bombástica pode ser sua única esperança de recuperar a memória.


Fica a dica pra quem imagina que grana, beleza e status é tudo o que se precisa pra dizer que a vida é maravilhosa.

sábado, 15 de agosto de 2009

QUEM É VOCÊ?

Em tempos de orkuts, blogspots e facebooks da vida, é comum termos de preencher um formulário com nossos dados. Uma das coisas que mais me deixam atrapalhada é quando perguntam "Quem é você?".
Gente,como assim, quem sou eu? Eu, eu... eu não sei quem eu sou.
Já fui assim, depois mudei, tentei voltar a ser daquele jeito, fiz um esforço danado pra ser diferente e continuo igualzinha: mudando sempre. Basta olhar meus cabelos. Mas as mudanças vão além: cada hora penso de um jeito, falo uma coisa, ajo inesperadamente.
Tenho fases, como a Lua. Viva Cecília Meirelles!
É isso aí: mulher de fases total.

video

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

TÁ DIFÍCIL, NÉ?

“É tão difícil encontrar alguém que você goste, que quando encontra pode ser até um jacaré".

Foi a Ana Paula Arósio quem falou. Mas eu assino em baixo.

VAMOS VARIAR. SÓ PRA VARIAR.

No post que escrevi aqui falando sobre fazer as coisas "de propósito, só de sacanagem, só pra contrariar", a Lisa deixou, num comentário, a letra de uma música que eu adoro. Corri pro You Tube e aqui está: SÓ PRA VARIAR, com o eterno Raul Seixas. É UMA PENA EU NÃO SER BURRO, ASSIM EU NÃO SOFRIA TANTO.

Tem que acontecer alguma coisa, neném
Parado é que eu não posso ficar
Quero tocar fogo onde bombeiro não vem.
Vou rasgar dinheiro
Tocar fogo nele
Só pra variar
Antes d'eu me confessar pro padre, neném
Eu vou comer três quilos de cebola
Ver de perto a Papa, ah que luxo meu bem
Vou rasgar dinheiro, tocar fogo nele,
Só pra variar

Eu vou jogar no lixo a dentadura, neném
Eu vou ficar banguelo numa boa
É que eu vou fundar mais um partido também
Vou rasgar dinheiro, tacar fogo nele
Só pra variar
Mas diz que o paraíso já tá cheio neném
Eu vou levar um lero com o diabo
Antes que o inferno fique cheio também
Vou rasgar dinheiro, tacar fogo nele,
Só pra variar.


video

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

terça-feira, 11 de agosto de 2009

QUANDO FALTAM O AR E AS PALAVRAS...

eu recorro aos poemas dos outros.
Este, por exemplo, é do blog "Eu não sou Chico" e se chama
TE CONTAR

Na realidade, na realidade mesmo
Você não faz a menor idéia de tudo.
Se soubesse a dimensão que o meu
sentimento por você ocupa dentro de mim,
talvez entendesse a minha falta de ar...

domingo, 9 de agosto de 2009

AOS MEUS LEONINOS QUERIDOS

E Agosto muitas pessoas queridas fazem aniversário. Então fica aqui um beijinho muito carinhoso aos leoninos que fazem parte da minha vida.

TEM ALGUM LEITOR AQU DESTE SIGNO? DEIXA SEU NOME E SUA DATA DE ANIVERSÁRIO.

video

ESPAÇO NOVO SER

De um tempo pra cá, me envolvi com a "causa" dos deficientes, em especial dos cadeirantes. Pesquisa aqui, pesquisa ali, encontrei o site de uma ONG muito, muito interessante, o ESPAÇO NOVO SER, cuja missão é a superação dos obstáculos sociais predominantes ao processo de Inclusão.
Se você tem algum familiar, amigo, amor, enfim, se conhece alguém com algum tipo de lesão medular, vale a pena acessar o site e ficar por dentro das várias atividades. Entendeu, Dudu?

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

SOBRE BEIJOS, VINHOS E DÚVIDAS.



Nestas últimas semanas deu pra fazer um monte de coisa, ir a um monte de lugar. Eram grupos e programas diferentes, mas sempre tinha uma ou duas das "Luluzinha´s".
O esperado aconteceu: uma das "Lulus" conheceu um carinha. O começo foi o de sempre: conversa pra cá, conversa pra lá e descobriram várias afinidades. Troca de telefones e, claro, uns beijos pra ter certeza de valia a pena ligar para ele. Sabe como é, um beijo revela bastante sobre a tal "química". E não é que se deram bem? Beijo com encaixe.
Durante a semana, os dois trocaram mensagens, se falaram por telefone e combinaram de se ver.
Porém, antes do encontro, bateu uma insegurança... e quando isso acontece o remédio é ouvir as amigas. Reunião urgente. Vinho e Marisa Monte para a moçoila falar sobre o rapazinho. E mais vinho e Marisa Monte para as outras darem conselhos.

- Não dá logo de cara, senão já sabe: vai virar "lanchinho" e só.
- Nada disso! Tem que experimentar: e se a cama não for boa?
- Mas ela já disse que o beijo do cara é bom pra caramba. O que custa segurar a onda e curtir mais dois ou três encontros? Fica só no beijo mesmo.
- Que isso? Que século a gente tá vivendo? Qual o problema de dormir com o cara? Ela não quer casar com ele... ou quer?

Neste momento, ela, além de insegura, ficou também confusa: dar ou não dar pro cara? Tentou abstrair a falação das amigas, cheias de boa vontade e regras sobre relacionamentos. Pensou no que ela queria: queria só ver o carinha ou tava a fim de transar com ele? Uma coisa não exclui a outra. Assim como transar com um cara recém-conhecido não exclui a possibilidade de rolar algo mais sério entre os dois. Mas será que ele pensa assim também? E se ele me achar "fácil"? Po! Mas isso é babaquice, será que ele pensa assim? É melhor voltar a ouvir as amigas.

- A gente fica dando uma de moderninha e aí, o que arruma? Carinha babaca, que só faz programa que termina em motel. Isso quando o programa não é o motel. Amiga, conselho de quem já viveu muito: se valoriza. Se faz de difícil.
- Que frase c-a-r-e-t-a! Tô boba, logo você vem com esse discurso igual da minha mãe?
- Cara, a verdade é essa, isso é milenar: modernidade é muito legal até a página 2. Homem continua gostando de mulher que se valoriza. Homem não gosta de mulher fácil. Isso é fato.
- Só porque a mulher dá pro cara no primeiro ou no segundo encontro ela é "fácil"? Não acredito que tô ouvindo isso... Antes de ela saber se quer alguma coisa com ele tem de fazer test drive, sim!
- Gente! Vocês tão me confundindo! Vou acabar não ligando pra ele nunca mais.
- Olha, você pediu minha opinião e eu tô dando: se valoriza, se faz de difícil, mostra que você não é que nem esse monte de mulher por aí, que dorme com qualquer um.
- Pois é, você pediu minha opinião e eu também dei: se tiver a fim, dorme com ele.
- Acabou o vinho, vou pegar outro.
- Aproveita e coloca aquele DVD ao vivo, aquele novo. Tá ali na estante.

E assim a reunião de grandes amigas prosseguiu. Falamos sobre outros assuntos, marcamos cinema na 6a-feira e o assunto "Dá-não-dá" não teve desfecho.


Na 6a-feira à tarde, apenas um e-mail: NÃO VOU VER O FILME. RESOLVI ARRISCAR E VER SE ELE É "QUALQUER UM", SE É MACHISTA OU ATÉ MESMO SE É O CARA GENTE BOA QUE DEMONSTROU SER NAQUELE DIA QUE NOS CONHECEMOS. TORÇAM POR MIM.


O próximo capítulo dessa história a gente já sabe qual é: AGORA QUE EU DEI, COMO DEVO AGIR? BANCO A INDIFERENTE OU MOSTRO QUE ADOREI ELE?


Mas isso é assunto para ser debatido com vinho e Marisa Monte.




quarta-feira, 5 de agosto de 2009

NÃO TEM PORQUÊ

Não me pergunta o porquê de mais nada.
Se eu soubesse explicar alguma coisa,
me convencia a parar de gostar de você,
que tem medo de mim.
E eu nem sou assim muito brava.

O CONVIDADO SURPRESA




Semana passada li este (ótimo!) livro mas me esqueci de citá-lo por aqui. Apesar de ter só 112 páginas, a leitura leva alguns dias, pois é densa. Sem contar que dá um prazer danado reler alguns trechos.


A sinopse é esta:

Se é possível conhecer uma época através de suas histórias de amor, O convidado surpresa (2004) é o retrato deste início de milênio.

A trama começa numa tarde fria de domingo, quando o telefone acorda o autor-narrador. Ele reconhece a voz da mulher que o abandonou cinco anos antes sem nenhuma explicação. Ela o convida para o aniversário de uma amiga que costuma celebrar a data chamando para a festa o número de pessoas correspondentes à sua idade e mais um, o convidado surpresa.

Bouillier é o convidado surpresa da vez; a aniversariante é Sophie Calle.

A relação, cujo início é narrado neste livro, terminou tempos depois com um e-mail enviado por Bouillier, que dizia na última linha: "prenez soin de vous" ("cuide de você"). A frase deu origem à famosa exposição de Calle, exibida na Bienal de Veneza em 2007, que reuniu depoimentos de 107 mulheres sobre a carta de rompimento.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

COISAS DA VIDA

Ando tão musical ultimamente. Deve ser falta de inspiração para escrever e isso me faz lembrar que "há tempo de semear, há tempo de colher". Então, é melhor ouvir música do que escrever besteira. Muitas vezes é melhor ficar quietinha do que falar algo que magoe uma pessoa ou estrague um momento. Aconteceu isso comigo esta semana. Na verdade, ouvi uma coisa que "estragou" um momento tão singelo e acho até que arranhou um relacionamento bem legal. Só ouvi. Não estou para discussões, não quero desperdiçar energia. Ando preferindo ouvir as canções da vida, os sorrisos que andaram escassos. Canções, Luas divinas e males-entendidos são, como canta Santa Rita Lee de Sampa, COISAS DA VIDA. Você sempre soube que meu coração não estava totalmente desocupado. Mas te hospedei com muito carinho.
video

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

RESPONDENDO À MÔNICA

O Antunes Lobo, escritor português que foi um dos destaques da FLIP 2009, disse a seguinte frase: ESCREVER É MUITO DIFÍCIL E A CADA VEZ TORNA-SE MAIS DIFÍCIL FAZÊ-LO.
Concordo "ipsis literis" com ele e assim me justifico pela falta de criatividade do blog.
Numa outra parte da entrevista (publicada no jornal "Diário de Notícias", o escritor disse que durante a adolescência escrevia bastante : "Na época escrevia, corrigia e depois destruia o texto. Depois escrevia outro e repetia o ato de destruição. Fiz isso por anos."
Uma das minhas manias é a de sempre achar uma porcaria o que escrevo. Não tem jeito, eu sempre encontro pelo menos um erro de gramática cada vez que releio algo que escrevi. Isso sem contar nos inúmeros questionamentos: alguém vai se interessar em ler isso? Isso acrescenta alguma coisa?
Só depois de muito exercício comigo mesma, exercício contra minha auto-censura é que consegui relaxar um pouquinho e entender que por trás da falta de pretensão também bate um coração. Foi então que passei a escrever este blog. Mesmo assim sempre ouço uma vozinha me falando "você se acha, né?" ou jogando na minha cara "qualquer demente hoje em dia se diz escritor". E eu concordo. Mesmo assim venho sempre aqui. Cada vez menos, concordo. Poderia dizer que a falta de atualização é o motivo é o de sempre: falta de tempo. Mas não é só isso, não. Ando meio sem criatividade. Segundo um poeta amigo meu, isso acontece "nas melhores famílias". Acreditei porque me convém. E também porque quem sou eu para discordar com um poeta?
Como escrever é uma coisa que faço por prazer, prefiro não escrever nada do que postar umas coisas sem pé nem cabeça aqui. Respeito pela literatura e pelos meus amigos-leitores.
Portanto, Mônica, tenha um pouquinho de paciência com minha falta de tempo e também com a greve de criatividade que anda rondando minha mente.
Escrever não é fácil, acredite. Escrever mexe muito com emoções guardadas e, mesmo o texto mais simples e superficial, me faz ter contato com sensações que às vezes me incomodam.
Escrever é difícil. Antunes Lobo falou.